sexta-feira, 16 de setembro de 2016

Buraco na camada de ozônio na Antártida volta a crescer


Neste sábado, a Agência Meteorológica do Japão (JMA) divulgou que o buraco registrou o quarto maior nível da história, que já havia sido alcançado em 1998

Publicidade
O buraco da camada de ozônio na Antártida alcançou o dobro do tamanho do continente, repetindo o seu quarto maior nível na história, de acordo com a Agência Meteorológica do Japão (JMA). Segundo a JMA, o buraco, que aparece todos os anos entre agosto e dezembro devido ao efeito dos clorofluorocarbonos (CFC) e de outros gases nocivos, chegou a 27,8 milhões de metros quadrados em 9 de outubro. Os dados, obtidos por satélites americanos, mostram que o buraco deste ano tem o mesmo tamanho do registrado em 1998. As medições tiveram início em 1979.
LEIA TAMBÉM:
Para a JMA, o buraco voltou a crescer por causa das baixas temperaturas na estratosfera sobre a Antártida, que agravaram a diminuição da camada de ozônio.
Um estudo elaborado no ano passado por 300 cientistas, e aprovado pela Organização Mundial da Meteorologia (OMM) e pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), concluiu que a destruição da camada de ozônio está diminuindo e que este escudo natural da Terra, capaz de bloquear os raios ultravioleta, pode se recuperar em meados de século. Isto seria possível se as restrições aos produtos que a destroem, como os que contêm clorofluorocarbonos, continuarem a ser aplicadas.
O japonês Atsuya Kinoshita, do escritório de acompanhamento da camada de ozônio da agência japonesa, advertiu que, apesar da presença de gases nocivos estar diminuindo, as mudanças de temperatura permitem que se estendam amplamente, danificando a camada de ozônio, publicou a emissora pública “NHK”.
(Com agência EFE)
Postado por: Carlos PAIM

terça-feira, 23 de agosto de 2016

Projeto expõe belezas do Centro-Oeste em shoppings cariocas

Brasil Central apresenta no Barra Shopping, de 20 a 28 de agosto, os principais destinos turísticos de MS, MT, GO e DF

FacebookTwitterGoogle+

A partir de sábado (20) até o dia 28 de agosto, o projeto Brasil Central Turismo vai expor no Barra Shopping, Rio de Janeiro-RJ, as belezas naturais e históricas de regiões turísticas de Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Goiás e Distrito Federal. A iniciativa é desenvolvida pelas unidades do Sebrae destes estados, com o apoio da Associação Brasileira dos Sebrae Estaduais (Abase) Centro-Oeste.
As seis zonas de ação prioritárias do projeto ganharão destaque na mostra: Bonito-MS; região do Pantanal - com Corumbá-MS e Poconé-MT; Chapada dos Guimarães-MT; Chapada dos Veadeiros-GO; Pirenópolis-GO; e Brasília-DF.
Com uma infraestrutura de 100 m² no local - por onde circulam diariamente média de 100 mil pessoas -, a Casa Itinerante Brasil Central trará experiências que o turista pode encontrar nestes destinos turísticos; com cenários repletos de sons e aromas locais, bem como vídeos ilustrativos e ferramentas interativas de realidade virtual.
O espaço dispõe de óculos rift e cubo de imersão com projeção 360º; catálogo virtual com os empreendimentos que já aderiram ao projeto; além de exposição de artesanato, souvenirs e artigos da produção rural. O objetivo é chamar a atenção dos turistas de todas as partes do País e do mundo, de modo a estimular seus desejos para nos visitar com maior frequência, garante Maristela França, diretora superintendente em exercício do Sebrae/MS.
De acordo com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas, além de eventos como este, organizados para ressaltar as particularidades de cada localidade, o Brasil Central Turismo prevê estratégias de inteligência comercial, economia criativa, sustentabilidade, inovação e tecnologia; em benefício a pequenos negócios do trade turístico instalados nas regiões. Até outubro de 2016, almeja-se que 800 empreendimentos acessem novos mercados graças ao Brasil Central.

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Ministério repassará 1 milhão para Parque Nacional da Serra da Capivara

Download PDF
Pedra Furada, monumento geológico mais conhecido do Parque Nacional Serra da Capivara - Piauí. Foto: André Pessoa/Wikiparques.
Pedra Furada, monumento geológico mais conhecido do Parque Nacional Serra da Capivara - Piauí. Foto: André Pessoa/Wikiparques.
A briga da Fundação Museu do Homem Americano (Fundham) por verba para manter funcionando o Parque Nacional da Serra da Capivara já dura alguns anos, mas nesta semana a situação, já crítica, chegou ao limite. Ontem, após a Justiça ter negado repasse à Fundação, Nìede Guidon, presidente da entidade que administra a visitação da área protegida, anunciou que o parque iria fechar.
Não fechou, porque o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), autarquia que cuida das unidades de conservação federais do país, deu um "jeitinho". As duas entidades administram em conjunto o parque. Funcionários terceirizados do ICMBio ficaram na manhã desta quarta-feira nas guaritas para garantir o acesso dos turistas ao local, que puderam usufruir do parque sem pagar a taxa de entrada. A função de cuidar das guaritas são dos funcionários da Fundham, que foram mandados para casa porque não há dinheiro para honrar os salários deles. Atualmente, existem 36 funcionários trabalhando no local. Não tem muito tempo, a entidade tinha mais de 250 funcionários para cuidar da unidade que abriga a maior quantidade de sítios arqueológicos pré-históricos das Américas.
Tamanho patrimônio fez a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) entrar com uma ação civil pública para obrigar o ICMBio a fazer uma dotação específica para o bom funcionamento do parque. Parte do recurso viria da Câmara de Compensação Ambiental. Mas nesta segunda (15), a Justiça rejeitou a liberação de cerca de 960 mil bloqueados na Caixa Econômica Federal porque o contrato entre a Fundham e o ICMBio caducou em 2015. Sem contrato, nada de dinheiro e sem dinheiro, os funcionários foram dispensados.
O Ministério do Meio Ambiente tentou apagar o incêndio e anunciou nesta quarta-feira (17) o repasse emergencial de R$ 1 milhão tirado do próprio orçamento para que a unidade de conservação continue aberta, mas esse dinheiro não resolverá a crise da Fundham. Ele só poderá ser usado para pagar os guardas-parques terceirizados, que estão há 4 meses sem receber. Por enquanto, o parque continuará aberto.
Em nota, o ministro Sarney Filho, do Meio Ambiente, afirma que tem o maior respeito e admiração pela arqueóloga Niéde Guidon e que o repasse será resolvido logo, assim que o contrato for renovado e a Justiça desbloquear a conta. “O Ministro reafirma seu compromisso com o Parque Nacional Serra da Capivara e está envidando esforços junto ao Governo para conseguir estruturalmente recursos para sanar de vez os problemas do Parque. Emergencialmente, um milhão de reais do orçamento do próprio Ministério do Meio Ambiente já foi remanejado por sua decisão, no dia de hoje, para o Parque”, afirma o documento.

quinta-feira, 12 de maio de 2016

Globo Repórter desvenda a
fascinante região do Jalapão

Programa desta sexta (13) explora o deserto das águas e conta
histórias de quem vive neste pedaço isolado no coração do Brasil


Jalapão - o deserto das águas. 

O Globo Repórter atravessa uma das mais fascinantes regiões do Brasil.
Dunas, nascentes, fervedouros. Nosso repórter suspenso no ar. Uma descida de mais de 70 metros revela a beleza do vale encantado.
Quem vive neste pedaço isolado no coração do país?
Ouro - na sua forma mais primitiva. Garimpeiros mergulham 60 metros terra adentro para extrair as pedras. Equipamentos precários e muita coragem para ganhar a vida.
E a arte do capim dourado, que garante o sustento de muitas comunidades.
A magia de uma cachoeira que despenca sobre as rochas e desaparece nas profundezas, para ressurgir muitos metros adiante em forma de rio.
A pedra furada - um limite natural para proteção da natureza.
A criatividade dos agricultores que descobriram como viver dos frutos do cerrado.
O ninho das águias chilenas. O brasileiro que adotou uma cobra. O bicho agora faz parte da família.
As misteriosas descobertas dos exploradores de cavernas. E a sabedoria de Dona Romana - a misteriosa vidente do Tocantins. Mas o que ela vê durante suas orações? 
g1globo
Postado por: Ygor I. Mendes

domingo, 7 de junho de 2015

Sociedade e Ecologia (Murray Bookchin)

 CLIQUE:

https://www.nodo50.org/insurgentes/textos/ecosocial/03sociedadeecologia.htm

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Brasil ocupa 18ª posição entre economias verdes em lista de 60 países


  • 20/10/2014 14h24
  • Copenhague
Gisele Garcia - Correspondente da Agência Brasil/EBC Edição: Marcos Chagas


Na Reserva Mamirauá, pesquisadores e ribeirinhos buscam a sustentabilidade pelo manejo florestal (Tomaz Silva/Agência Brasil)
Pesquisadores e ribeirinhos buscam a sustentabilidade pelo manejo florestalTomaz Silva/Agência Brasil
A quarta edição do Índice Global de Economias Verdes, publicada hoje (20) pela consultoria Dual Citizens, apresenta o Brasil na 18ª posição entre as 60 nações avaliadas pela performance na área de sustentabilidade, atrás da Costa Rica, do Peru e da Colômbia e à frente do Reino Unido, da Holanda e dos Estados Unidos.
O índice, publicado em 2010, utiliza 32 indicadores para medir a performance dos países analisados. Esses indicadores são divididos em quatro dimensões: liderança e mudanças climáticas; setores eficientes; mercados e investimento; e capital natural e ambiental.
Além da performance, o relatório também apresenta o ranking de percepção sobre o tema, captado por meio de uma pesquisa feita entre julho e agosto deste ano, com especialistas e pessoas que atuam na área em todos os continentes do mundo. Nesse quesito, o Brasil aparece em 15º lugar, uma posição atrás da Costa Rica, e uma à frente da Índia.

Investimentos na matriz eólica contribui para a geração de energia limpa
Investimentos na matriz eólica contribui para a geração de energia limpaArquivo/Agência Brasil
No relatório, o Brasil é citado como um país atrativo para investimentos nas áreas de tecnologias limpas e energias renováveis. A consultoria aponta que, com a abundância em recursos naturais e o crescimento de seu poder econômico, o país poderia assumir uma liderança maior na promoção de um crescimento econômico mais sustentável, que permita o desenvolvimento futuro. “Essa liderança será fundamental para o Brasil melhorar seu desempenho no relatório, especialmente na dimensão da gestão de seu capital natural e ambiental, particularmente no que diz respeito a florestas e água”, ressalta o documento.
Não é possível comparar os resultados do relatório deste ano com os de 2013, já que foram incluídas, nesta edição, 33 nações às 27 já analisadas. Mas no comentário específico sobre o Brasil, a consultoria responsável pelo índice observa que não houve grande alteração no desempenho do Brasil em relação ao período anterior.
Quando analisado globalmente, o relatório mostra a Suécia no primeiro lugar no ranking de performance, seguida da Noruega e da Costa Rica, país latino-americano incluído este ano na pesquisa e que surpreendeu pelo excelente desempenho. Já no ranking de percepção, a Alemanha assume a liderança, seguida pela Dinamarca e a Suécia.
Muitas das nações em desenvolvimento, de acordo com a consultoria, precisam reorientar suas economias para um crescimento mais sustentável. Entre elas estão a China, a Tailândia, o Vietnã, o Camboja, o Catar e os Emirados Árabes Unidos. O relatório enfatiza que em países desenvolvidos como a Austrália, o Japão, a Holanda e os Estados Unidos, a percepção sobre sustentabilidade é muito maior do que a performance no setor. “São países que parecem receber mais crédito do que merecem, uma falta de informação que requer uma análise mais profunda”.
A pesquisa também avaliou 70 cidades consideradas sustentáveis ao redor do mundo. Copenhague, capital da Dinamarca, manteve a posição apresentada no relatório anterior de cidade mais sustentável do mundo. Para conferir o relatório completo em inglês, estão no site da Dual Citizens.

sexta-feira, 25 de julho de 2014

RESUMO DAS NOTÍCIAS PUBLICADAS, HOJE, PELOS PRINCIPAIS JORNAIS DO PAÍS (SINOPSE RADIOBRAS)


25 de julho de 2014

O Globo

'Diplomacia de anão' - Israel diz que Brasil é irrelevante e criador de problemas
Reação vem após chamada de embaixador para consultas

Itamaraty justifica decisão dizendo não aceitar mortes de mulheres e crianças na ofensiva contra Gaza. Porta-voz israelense ironiza atuação internacional brasileira

Israel reagiu duramente à decisão brasileira de chamar para consultas o embaixador em Tel Aviv por conta do "uso desproporcional da força" na ofensiva a Gaza. Um porta-voz da Chancelaria israelense qualificou o Brasil de "anão diplomático" e "parceiro irrelevante que cria problemas em vez de contribui com soluções". Numa referência à derrota brasileira na Copa, ele afirmou que desproporcional é perder de 7x1. "O Brasil entende o direito de Israel se defender, mas não está contente com a morte de mulheres e crianças", declarou o ministro Luiz Alberto Figueiredo.(Págs. 27 e 28)

Refinaria de Pasadena - Lula e Adams pressionaram TCU para frear processo
O advogado-geral da União, Luiz Adams, e o ex-presidente Lula articularam para engavetar o processo do Tribunal de Contas da União, que anteontem isentou Dilma de culpa pelos prejuízos causados à Petrobras com a compra da refinaria de Pasadena, informa Merval Pereira. (Pág. 4)
País tropeça na educação e avança só uma posição no IDH
O passinho de gigante

Escolaridade média: 7,2 anos
Mesma posição de Kuwait
Zimbábue

O Brasil subiu uma posição no ranking dos países com maior Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), para a 79a. colocação entre 187 nações. O relatório da ONU mostra que houve melhora em saúde e renda, mas a escolaridade de crianças e adultos ficou estagnada. O governo contestou o cálculo e disse que as estatísticas de saúde e educação utilizadas estão defasadas. Para analistas, o baixo crescimento e a inflação podem dificultar melhorias sociais daqui para a frente. (Págs. 17 a 20)

Acusados de vandalismo são libertados
Manifestantes que esperavam ativistas agridem jornalistas em frente a presídio

Os ativistas Elisa Quadros, a Sininho, Camila Jourdan e Igor D'Icarahy, que cumpriam prisão preventiva no Complexo de Gericinó, acusados de atos violentos em protestos, foram libertados ontem à noite, beneficiados por habeas corpus concedido anteontem pelo desembargador Siro Dalrlan. Cerca de 30 manifestantes que os aguardavam em frente ao presídio hostilizaram e agrediram jornalistas. (Pág. 8)

Abraji homenageia cinegrafista morto

Santiago Andrade, morto durante protesto em fevereiro, foi lembrado ontem em evento da associação jornalística. (Pág. 26)


FMI reduz projeção de crescimento do PIB para 1,3% (Pág. 21)

Despedida - Em Recife, o adeus a Suassuna
Centenas de pessoas, inclusive a presidente Dilma e o ex-governador Eduardo Campos, compareceram ao velório do escritor. (Pág. 7)

Dono do Espírito Santo é detido
Ricardo Salgado, um dos donos do grupo Espírito Santo, foi detido em Portugal para depor na Justiça. Ele é suspeito de lavagem de dinheiro. (Pág. 23)

Creche amarrou crianças no Paraná
Fiscais da Vigilância Sanitária de Curitiba encontraram 17 crianças presas com fraldas de pano em cadeiras numa creche particular. (Pág. 6)

Fundo Partidário - Quanto rende um deputado?
Os dez deputados mais votados em 2010 geraram R$ 11 milhões para seus partidos. (Pág. 5)

José Paulo Kupfer
Há evidências de que uma parte das cotações da bolsa é bolha eleitoral. (Pág. 15)
Nelson Motta
Eleição polarizada e movida a ódio é um dos maiores males que país pode sofrer. (Pág. 15)
Panorama Político
Ilimar Franco

Romper o cerco

O candidato Eduardo Campos (PSB) quer romper a briga entre o bem e o mal, patrocinada por PT e PSDB. E faz campanha propositiva. Campos já se comprometeu a construir quatro milhões de moradias, investir 10% da receita bruta da União na Saúde e instituir a escola em tempo integral. Sua estratégia é oferecer mais para os eleitores. Para o socialista, o país não corre o risco da terra arrasada nem da volta ao passado. (pág. 2)

Ancelmo Gois
Ariano e a ditadura

Em 1967, o general Castelo Branco, por sugestão de seu amigo Josué Montello, preocupado com o avanço da esquerda no meio intelectual, criou o Conselho Federal de Cultura.

Entre os 24 "cardeais da cultura", expressão cunhada por Gilberto Freyre, estava o jovem Ariano Suassuana.

Míriam Leitão
Juros não caem

Uma dúvida dos últimos dias já estava derrubando a curva de juros. Era a de que, diante da fraqueza da economia e da eleição, o Banco Central iria reduzir a Selic. Alguns analistas achavam que sim. Na Ata divulgada ontem, o Copom tirou do radar essa possibilidade, por enquanto. Com palavras e números, avisou que continuará trabalhando para que a inflação caminhe para a meta. (Pág. 18)

------------------------------------------------------------------------------------
Correio Braziliense

Manchete : Israel e Brasil abrem guerra diplomática
A decisão do Brasil de convocar o embaixador em Tel Aviv, de classificar como inaceitável a escalada de violência e de condenar o "uso desproporcional da força", e sem condenar igualmente o Hamas, provocou dura reação de Israel. O porta-voz da chancelaria daquele país, Yigal Palmor, disse que o gesto torna o Brasil um "parceiro diplomático irrelevante". Em entrevista ao Correio, ele elevou as críticas, afirmou que seu país se sente traído e alegou que a influência diplomática do Brasil "desapareceu por completo". O chanceler Luiz Alberto Figueiredo rebateu: "o gesto que tinha que ser feito foi feito". O número de palestinos mortos passa de 800. Ontem, uma escola da ONU foi alvo de bombardeios. Dezesseis civis morreram e 200 ficaram feridos. (pág. 12)
O dia em que o céu fez festa para Ariano
Foi a filha Ana Rita quem imaginou a alegria com que o paraíso recebeu o pai, após a despedida acompanhada por milhares de pessoas ontem no recife. "Com essa passagem bonita", disse Ana, "O céu está em festa". (Pág. 5)

Até o IDH vira arma na eleição
Os números sobre o desenvolvimento humano no Brasil serviram de munição para o Planalto e para a oposição. Enquanto o governo enaltecia o avanço de uma posição no ranking da ONU (de 80° para 79°), os adversários consideravam lento o crescimento do país. (Pág. 2)

Luz custará mais caro ao consumidor
Banco Central estima que as tarifas de energia subirão 14% em média este ano. A falta de chuvas e as dívidas das empresas elétricas pesaram nos custos do setor. (Pág. 6)

Brasília-DF
Denise Rothenburg

Aezão em xeque

Por enquanto, o PT apenas observa a movimentação dos deputados do PMDB do Rio de Janeiro que estampam nos panfletos de campanha o rosto e o partido do candidato tucano a presidente da República, o senador Aécio Neves. Nos bastidores, há quem diga que o comando da campanha pela reeleição de Dilma Rousseff considera essa dobradinha irregular. (Pág. 3)

Correio Econômico
Vicente Nunes

Mau exemplo

O governo comemorou, mas a decisão do Tribunal de Contas da União (TCU) de isentar, por unanimidade, o Conselho de Administração da Petrobras da responsabilidade pelos prejuízos de mais de US$ 1 bilhão causados à estatal com a compra da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos, abriu precedentes perigosos.

------------------------------------------------------------------------------------
Zero Hora

Manchete : Diplomacia também em conflito
Ao reagir à desaprovação do Itamaraty a "ataques desproporcionais" a Gaza, Israel chama Brasil de "anão diplomático" e cria desconforto. (Notícias | 22 a 24)
Bombardeio a escola mata 15
Mantido pela ONU, local que abrigava refugiados e funcionários da instituição em Gaza foi alvejado, deixando mais de 200 pessoas feridas. (Notícias | 22 a 24)

Ranking da ONU
Brasil sobe uma posição no IDH (Notícias | 25)

Sem Robocop
BM não receberá traje prometido para a Copa. (Notícias | 27)
Porto Alegre, capital da asma
Pesquisa mostra que duas em cada 10 crianças convivem com a doença. (Sua Vida | 34 e 35)

------------------------------------------------------------------------------------
Brasil Econômico

Manchete : Israel ataca escola da ONU e menospreza diplomacia do Brasil
No dia seguinte à ONU ter advertido Israel que os ataques a Gaza podem ser qualificados como crimes de guerra, o Exército do país atingiu uma escola da ONU, matando 15 e ferindo 200 pessoas. Ontem também, o porta-voz da Chancelaria israelense, Yigal Palmor, criticou violentamente a convocação do embaixador brasileiro pelo Itamaraty e disse que o Brasil “continua a ser um anão diplomático”. O ministro das Relações Exteriores, Luiz Roberto Figueiredo, respondeu mantendo a condenação ao uso desproporcional de força. (Págs. 24 e 25)
BC indica que juros só caem no longo prazo
A Ata do Copom foi interpretada por analistas como um sinal de que os juros não caem mais este ano. Para o Banco Central, a inflação continua resistente. (Pág. 17)
Quase lanterna em eficiência energética
Entre as 16 maiores economias globais, o Brasil ocupa a 15ª posição no combate ao desperdício de energia, segundo instituição americana especializada. O país ficou à frente apenas do México, e atrás de outros Brics. (Págs. 8 e 9)
Dell faz correção de rota
A maior aproximação com clientes é uma das estratégias da empresa para recuperar o terreno perdido no mercado de PCs. “Vamos investir agressivamente para capacitar parceiros e cobrir 100% do país”, diz Marius Haas, executivo da Dell. (Pág. 14)
Tensão eleitoral no velório de Suassuna
Ex-aliados, os agora adversários Dilma e Eduardo Campos ficaram desconfortáveis na despedida ao escritor Pernambuco. Presidenta teve que ouvir música tema do PSB. (Pág. 3)
Dívida pública tem, em junho, maior alta em 12 meses: 4,02%
Repasse de R$ 30 bilhões ao BNDES pesou nas contas do Tesouro. R$ 65 bi de títulos já foram emitidos no ano. (Pág. 5)
Mosaico Político
Leonardo Fuhrmann

APOIO NAS MÃOS DE TEMER

A utilização do palanque do peemedebista de São Paulo para a campanha da reeleição da presidente Dilma Rousseff (PT) vai depender em muito da pressão do vice-presidente Michel Temer (PMDB). (Pág. 2)

Sintonia Fina
Julio Gomes de Almeida

SEM A ALTERNATIVA DA EXPORTAÇÃO

Já se foi o tempo em que uma fase adversa do mercado interno era compensada por exportações. Chegamos em várias ocasiões à situação na qual o setor externo foi determinante como mecanismo da recuperação econômica após uma crise. (Pág. 6)

O mercado como ele é...
Luiz Sérgio Guimarães

ATA INEQUÍVOCA AJUSTA JURO

O Copom do Banco Central já informou ontem a decisão que irá tomar no dia 3 de setembro, data da sua próxima reunião formal. Não só a Selic será mantida em 11% como vai retirar a expressão "neste momento" do seu comunicado, por ser responsável pelo entendimento do mercado de que preparava um corte. (Pág. 20)

Ponto Final
Octávio Costa

A ORDEM PERFEITA DO COPOM

Nada como a leitura de uma ata do Comitê de Política Monetária para mudar de opinião sobre os rumos da economia brasileira. Os diretores do Banco Central que compõem o órgão responsável pelo nível da taxa básica de juros sempre demonstram um equilíbrio invejável. (Pág. 32)

------------------------------------------------------------------------------------
Folha de S. Paulo

Manchete : Israel reage a crítica e diz que Brasil é 'irrelevante'
Governo israelense responde após Itamaraty condenar atual ofensiva contra palestinos

Em resposta à crítica do Brasil à ofensiva em Gaza, o porta-voz da chancelaria de Israel qualificou o país de "gigante econômico e cultural", mas "um anão diplomático" que continua "politicamente irrelevante", relata o enviado Diogo Bercito. Um dia antes, em nota, o governo brasileiro havia condenado o uso "desproporcional" da força do Exército israelense no atual conflito, sem menções aos ataques palestinos. O Hamas, grupo que controla Gaza e que lançou mais de 2.000 foguetes contra Israel na atual ofensiva, elogiou o Brasil. O ministro Luiz Alberto Figueiredo (Relações Exteriores) tentou minimizar a reação israelense e disse que o país também condena o Hamas pelo lançamento de foguetes contra Israel. O governo Dilma não quer "bater boca" diante de conflito que já deixou mais de 730 mortos, em sua maioria civis palestinos . (Mundo A10)

Cruz Vermelha no país desviou dinheiro doado, diz auditoria
A Cruz Vermelha Brasileira desviou recursos destinados a campanhas humanitárias, aponta auditoria pedida pela Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha. O dinheiro iria para vítimas de conflitos na Somália, do tsunami no Japão e de enchentes no Rio, relata Reynaldo Turollo Jr. O valor desviado dessas doações chega a R$ 2,3 milhões. A maior parte foi repassada a uma ONG, sediada no Maranhão, que pertence à mãe do vice-presidente da Cruz Vermelha à época. A gestão atual da entidade diz que levará o caso ao Ministério Público para que seja investigado. (Cotidiano C1)
Brasil avança no IDH, mas governo critica ranking
O Brasil subiu uma posição no ranking de desenvolvimento humano 2013, das Nações Unidas, e ocupa o 79° lugar, em lista de 187 países. O IDH nacional, com dados de saúde, educação e renda, avançou em ritmo menor ante outros emergentes. O governo criticou o uso de dados desatualizados. (Poder A9)

Aeroporto pode ajudar tio de Aécio em ação judicial
A escolha da área do aeroporto em Cláudio (MG) pode ajudar tio do tucano Aécio Neves a resolver antiga pendência judicial. Com direito a indenização pela desapropriação do terreno, ele poderá usar o dinheiro para devolver recursos públicos gastos nos anos 80 em pista de pouso no local. (Poder A4)

Funeral de Suassuna tem boneco gigante e maracatus em PE
O funeral de Ariano Suassuna, morto aos 87 anos no Recife, teve apresentação de maracatus e um boneco gigante do escritor. (Cotidiano C4)
Receita cobra Dunga por suspeita de sonegar imposto
A Receita Federal cobra o técnico Dunga por suposta sonegação de imposto sobre dinheiro movimentado no exterior, relata Filipe Coutinho. A suspeita envolve o recebimento de US$ 270 mil em 2002. O fisco cobra ao menos R$ 907 mil do treinador, que já teve recurso negado e pode recorrer. (Esporte D1)

Foto-legenda
Solta

A ativista Sininho deixa a prisão de Bangu, no Rio, após habeas corpus concedido pela Justiça; em SP, professor suspeito de depredação foi preso. (Poder A8)

Universidade federal tem obras suspensas no Paraná (Cotidiano C1)

Anvisa vai propor que embalagem de cigarro seja padrão e com cor única (C5)

Editoriais
Leia "Reações violentas", acerca de desproporção no conflito entre Israel e palestinos, e "De volta ao campus", sobre liberação de aulas na USP Leste. (Opinião A2)